Araxá, 26 de Maio 2017
Clima Agora
16°

Pesquisar

Você está em

Notícias

Cultura e Arte

Publicado em:04/04/2017
:: Cultura e Arte :: Tarcísio Cardoso é o novo presidente da Academia Araxaense de Letras. Confira...
Publicitário assume em substituição ao odontólogo e escritor Márcio Antônio de Paula Duarte

Posse ocorreu na sede da Biblioteca Municipal Viriato Correia

O publicitário e escritor Tarcísio Cardoso foi empossado como presidente da Academia Araxaense de Letras para o biênio 2017/2019. Ele assume em substituição ao odontólogo e escritor Márcio Antônio de Paula Duarte. A solenidade de posse, muito concorrida por sinal, foi realizada na segunda-feira, dia 27, na sede da Biblioteca Municipal Viriato Correia.

Além de Tarcísio Cardoso, também foram empossados Vilma Cunha Duarte (vice-presidente), Agnelo Guimarães Borges (1º secretário), Carolina Angélica Guimarães de Oliveira Passos (2ª secretária), Silvio Alves Camarota (1º tesoureiro), Renato Zouain Zupo (2º tesoureiro) e Hermes Honório da Costa (bibliotecário).

Durante o discurso de posse, o nome presidente disse que a Academia Araxaense de Letras é a entidade magna da literatura da microrregião de Araxá e como uma boa árvore frutífera também dá uma boa sombra. “Pertencer a esta tradicional e emérita casa da literatura de Araxá já é uma desmedida honra, agora, dirigi-la e conduzir seus destinos por mais dois anos é um privilégio, sem precedentes. Um desafio, que, felizmente, conto com uma diretoria dinâmica, capaz e experiente”, destacou.

O novo presidente salientou que a principal proposta para o mandato que se inicia será na comunicação para ascensão, ainda mais, da academia. “Além de sua cultura literária interna ela deverá cumprir o seu papel social, se interagindo com o seu meio cultural. A nossa academia, meus diletos convivas, nunca será um casulo com o objetivo final de dar vida a sua morada. A Academia Araxaense de Letras, pelo contrário, se assemelha a uma colmeia, quando partimos, como as abelhas, sobrevoando os jardins da cultura na busca do néctar para produzir o mel literário e alimentar a sede do saber das muitas cabeças, talvez nos bancos escolares. Entretanto, meus caros convidados, nossa proposta não é a de lecionar e sim incentivar a escrita e a leitura, de vez que a educação anda de mãos dadas com a literatura. O objetivo final do escritor e da escritora é o de criar livros que também, possam auxiliar a educação, no entanto, somente encontrará o termo, se conhecer o universo onde está inserido. Não é escrever livros somente para o deleite, mas criar literatura que seja igualmente uma ferramenta para a educação. Haveremos de bater em todas as portas dos segmentos de cultura, educação e arte para mais interação literária”, arrematou.