Araxá, 26 de Maio 2017
Clima Agora
18°

Pesquisar

Você está em

Colunas

Nutricionismo

Publicado em:20/05/2016
:: Saúde e Bem Estar :: Dra. Cintia Nepomuceno e o Uso de Laxantes. Prós e Contras. Entenda...

Para se ter uma ideia a prescrição de laxantes por médicos nos Estados Unidos da América foi em aproximadamente 85% dos pacientes que buscaram consulta médica em virtude de constipação

Hoje em dia o uso de laxantes para tratar a constipação intestinal de pacientes idosos, jovens e crianças acontece com bastante frequência (SANTOS JUNIOR, 2003).

Para se ter uma ideia a prescrição de laxantes por médicos nos Estados Unidos da América foi em aproximadamente 85% dos pacientes que buscaram consulta médica em virtude de constipação (MELLO; MELLO; LANGELOH, 2006).

Sendo assim, abaixo descrevemos em quais situações os laxantes são indicados:

- Preparo de pacientes para exames;

- Tratamento de intoxicações por substâncias não corrosíveis;

- Facilitar a evacuação no caso de doenças intestinais;

- Na constipação intestinal, quando medidas dietéticas e comportamentais não têm efeito;

É importante salientar que substâncias que alteram funções motoras, absortivas e secretórias do trato gastrintestinal podem produzir constipação ou diarreia, desidratação e má nutrição, quando utilizadas em excesso. Não se prestam para o tratamento de doença alguma e, em casos excepcionais, sob orientação médica, podem ser prescritas para a evacuação intestinal abrupta, ou nos casos citados acima (SANTOS JUNIOR, 2003).

Constipação e uso de laxantes

Constipação é um sintoma comum, mais frequente em mulheres, incidindo de preferência nos idosos. Foram já estabelecidos firmes critérios que facilitam o diagnóstico, que incluem: ritmo intestinal com menos de três evacuações por semana, sensação de dificuldade para evacuar, fezes pequenas e endurecidas e sensação de evacuação incompleta.

Considera-se constipado aquele que apresentar dois ou mais desses sintomas durante pelo menos três meses ao longo do ano (ASHRAF et al., 1996; CÉSAR et al, 2008).

A primeira abordagem do tratamento é garantir a fibra dietética, hidratação e exercício adequados e atendimento ao impulso de defecar. Os pacientes dependentes de laxantes são encorajados a utilizar produtos mais suaves e reduzir a dose até que a retirada seja completa.

Entretanto, quando a constipação não é amenizável pelo tratamento conservador, isto é, o indivíduo é incapaz de consumir uma quantidade adequada de alimentos fibrosos ou de praticar exercício, substâncias para promover a evacuação regular de fezes macias podem ser utilizadas (CÉSAR et al., 2008; KRAUSE, 2005; CANDELLI et al, 2001).

Distúrbios alimentares e o laxante

Indivíduos com distúrbios alimentares usam os laxantes como uma das técnicas para promover a perda de peso. Também abusam dos laxantes porque estão constantemente constipadas, por causa da pequena quantidade de alimento que consomem, não fornecendo uma quantidade suficiente de alimentos contendo fibras para estimular os movimentos peristálticos (ABREU; FILHO, 2004).

O uso de laxantes está associado normalmente a pacientes com anorexia do subtipo purgativo, ou seja, que apresentam episódios bulímicos e alguma prática de purgação (vômitos, diuréticos, enemas e laxantes) (ABREU; FILHO, 2004).

REFERÊNCIAS

ABREU, N.C., FILHO, C.R. Anorexia e bulimia nervosa – abordagem cognitivo-construtiva de psicoterapia. Rev Psiq Clin, v 31, n 4, p 177-183, 2004.

ASHRAF, W., PARK, F., LOF, J., QUIGLEY, E.M. Na examination of the reliability of reported stool frequency in the duagnosis of idiopathic constipation. Am J Gastroenterol, v 91, n 1, p 26-32, 1996.

CANDELLI, M., et al. Idiopathic chronic constipation:pathophysiology, diagnosis and treatment. Hepatogastroenterology, v 48, p 1050, 2001.

CÉSAR, A.M.P., KLUG, W.A., AGUIDA, H.A.C., ORTIZ, J.A., FANG, C.B., CAPELHUCHNIL, P. Alterações das pressões anais em pacientes constipados por defecação obstruída. Rev Bras Coloproct, v 28, n 4, p 402-408, 2008.
DE MELLO, J.R.B., DE MELLO, F.B., LANGELOH, A. Avaliação da equivalência farmacodinâmica entre produtos fitoterápicos usados como laxantes e/ou reeducadores intestinais. Acta Farm Bonaerense, v 3, n25, p 381-6, 2006.

KRAUSE. Alimentos, nutrição & dietoterapia.11 ed. São Paulo. Roca. 2005.
SANTOS JUNIOR, J.C.M. Laxantes e purgativos – o paciente e a constipação intestinal. Rev Bras Coloproct, v 2, n 23, p 130-34, 2003.

Um abraço e até a próxima...
Nutricionismo
Cíntia Stefania Nepomuceno E-mail: Colunista desde: 2013-10-11 Dra. Cíntia Stefania Nepomucemo é formada em Nutrição pela Universidade de Franca – UNIFRAN. É natural de Araxá e já realizou vários cursos de aperfeiçoamento na área da saúde. Atualmente é uma das profissionais mais requisitadas em Araxá.