Araxá, 26 de Maio 2017
Clima Agora
16°

Pesquisar

Você está em

Colunas

Nutricionismo

Publicado em:05/05/2016
:: Saúde e Bem Estar :: Dra. Cintia Nepomuceno e a Nutrição na Gravidez. Fique Por Dentro...

Durante a gestação, há necessidade adicional de energia por causa do crescimento do feto, da placenta, dos tecidos maternos, bem como para o próprio consumo da gestante

O acompanhamento nutricional da mulher durante a assistência pré-natal é extremamente importante para a saúde do bebê e da mãe. Este trabalho tem como objetivos: estabelecer o estado nutricional, identificar fatores de risco, possibilitar interferências terapêuticas e profiláticas no sentido de corrigir distorções e planejar a educação nutricional.

Durante a gestação, há necessidade adicional de energia por causa do crescimento do feto, da placenta, dos tecidos maternos, bem como para o próprio consumo da gestante. Essas necessidades adicionais de energia na gravidez a termo, em uma mulher eutrófica, com ganho ponderal em torno de 12,5kg e bebê com peso ao nascimento superior a 3,0kg, são estimadas em 80 mil kcal totais ou 300 kcal/dia.

No entanto, é difícil estabelecer precisamente as necessidades de energia, devido a diversos fatores que estão influenciando o período gestacional, como o peso pré-gravídico, a quantidade e composição do ganho de peso, o estágio da gravidez e o nível de atividade física.

A RDA (Recommended Dietary Allowences,1989), recomenda a adição supracitada - 300 calorias por dia - , com início do segundo trimestre da gestação, exceto das condições a seguir:

- mulheres que iniciam a gravidez com baixo peso ou adolescentes (com menos de cinco anos pós-menarca), acrescenta-se as 300 calorias desde o início da gravidez;

- mulheres que iniciam a gravidez com sobrepeso ou obesidade, nenhum aumento calórico é recomendado.

Deve haver muito cuidado nesta conduta, pois a restrição de energia nesse período pode ocasionar consequências negativas ao bebê, pois o crescimento fetal ótimo somente ocorre quando a gestante é capaz de acumular reservas corporais extras.

O monitoramento do estado nutricional da gestante é de suma importância. Estudos mostram que a deficiência nutricional da gestante pode acarretar repercussões tanto no organismo materno, como no recém nascido:

Gestante: anemias, hemorragias, ganho de peso inadequado, parto prematuro, entre outros.

Recém Nascido: redução de peso e estatura ao nascer, tendência a anemia e infeções, alterações no desenvolvimento motor, alterações visuais e, posteriormente, menor rendimento escolar.

Guia alimentar diário para gestantes

- Leite e Derivados
3 Porções ao dia
Tamanho das Porções: 1 copo de leite ou iogurte ou 50g de queijo natural ou 60g de queijo processado

- Carnes
3 Porções ao dia
60 a 90g de carne cozida ou 2 a 3 ovos ou ainda 2 a 2 ½ xícaras de leguminosas ou também 2/3 a 1 xícara de frutas oleaginosas ou 2/3 a 1 xícara de tofu.

- Cereais
10 Porções ao dia
1 fatia de pão de forma ou ½ pão francês, de hamburger ou forma ou ½ xícara de cereal cozido ou massa ou 30g de cereal integral ou 3 colheres de sopa de aveia, germe de trigo ou farelo.

- Vegetais
4 Porções ao dia
1 xícara de vegetal cru ou ½ xícara de vegetal cozido ou ¾ de xícara de suco de vegetal

- Frutas
4 Porções ao dia
1 pedaço médio de fruta crua ou ½ xícara de fruta cozida ou ¾ de xícara de fruta cozida ou ¾ de xícara de suco de fruta ou ½ xícara de fruta seca

Dicas de alimentação na gravidez:

- Deve-se beber líquidos constantemente, de 1,5 a 2 litros por dia. Isto ajuda a combater os inchaços muito comuns na gravidez;

- Deve-se consumir pelo menos três frutas por dia, além de legumes e verduras no almoço e jantar. Esses alimentos são ricos em fibras, que previnem a prisão de ventre, muito comum na gestação.

- Deve-se fracionar as refeições em cinco ou seis vezes ao dia, com pequenas quantidades, e mastigar devagar.

- Deve-se consumir alimentos com baixo teor de gordura e evite ingerir líquidos durante as refeições, para facilitar a digestão e evitar azia.

- Evitar o consumo de adoçantes durante a gravidez, exceto quando prescrito por nutricionista ou médico.

Referências

1. Diniz LEV. Nutrição e gravidez. In: Zugaib BM, Sancrovski M. O pré-natal. Rio de Janeiro: Atheneu; 1994. p.71-6.

2. Williams SR. Orientação nutricional na assistência pré-natal. In: Worthington-Roberts BS, Vemeerchi J, Williams SR. Nutrição na gravidez e lactação. Rio de Janeiro: Interamericana; 1986. p.105-35.

3. Mikode MS, White AA. Dietary assessment of middle-income pregnant women during the first, second, and third trimesters. J Am Diet Assoc 1994; 94(2):196-99.

4. Gutierrez Y, King JC. Nutrition during teenage pregnancy. Pediatr Ann 1993; 22(2):99-108.

5. Neuhouser MLS. Nutrition during pregnancy and lactation. In: Mahan LK, Escott-Stump S. Krause\'s food, nutrition, and diet therapy. Philadelphia: W.B. Saunders; 1996. p.181-201.

6. Dietary Reference Intake: Application in Dietary Assessment. Institute of Medicine (IOM) [online] 2001 [cited 20-9-2001].

Um abraço e até a próxima
Nutricionismo
Cíntia Stefania Nepomuceno E-mail: Colunista desde: 2013-10-11 Dra. Cíntia Stefania Nepomucemo é formada em Nutrição pela Universidade de Franca – UNIFRAN. É natural de Araxá e já realizou vários cursos de aperfeiçoamento na área da saúde. Atualmente é uma das profissionais mais requisitadas em Araxá.